MENSAGEM DE BOAS VINDAS

30 Mar 2017

 

"Você trabalha com patentes? Mas, eu achei que você trabalhasse com biologia, você não é bióloga?"

 

E aí que quando eu respondo que eu trabalho com patentes e com biologia, eu sinto um ponto de interrogação se formando no rosto das pessoas... Como assim?

 

É interessante que quando as pessoas pensam em patentes, em tecnologia, elas logo pensam em eletricidade, em eletrônica, aviões supersônicos, celulares, motores... raramente as pessoas pensam na biologia que está aqui do lado. E, no entanto, a tecnologia que vem da biologia talvez seja das tecnologias mais antigas, perdendo, talvez, apenas para a criação das ferramentas de pedra e madeira. Porque desde que o homem é homem ele utiliza as plantas e os animais para produzir tecnologia a seu favor. Então, quando a gente descobre que uma proteína de um veneno de cobra tem ação contra a hipertensão, e inventa um medicamento que tem por base essa proteína - o medicamento captopril é exatamente isso, foi baseado em uma proteína produzida por uma jararaca - isso é biotecnologia! 

 

Mas, a gente não precisa de uma tecnologia tão moderna, não. Se a gente for parar para pensar na História do Brasil, no nome do Brasil, os portugueses, quando vieram para cá, estavam à procura de ouro. Só que eles não encontraram ouro logo de cara, porque o ouro estava no interior do País, nas Minas Gerais... Mas, no litoral, eles encontraram uma árvore, chamada de Pau-Brasil, cuja casca podia ser usada como corante para tingir tecidos de vermelho. Séculos mais tarde, isolaram a molécula específica desse composto e deram o nome de brasileína. Mas, já lá em 1500, se usava a casca da madeira como corante. Isso é biotecnologia! É usar uma propriedade de um ser vivo para solucionar problemas da vida humana. 

 

As patentes são uma forma de proteger essas soluções tecnológicas. Trabalhar com patentes em biotecnologia é trabalhar com essas invenções que tem origem nos seres vivos. Que partem da natureza. Uma vacina feita com vírus inativado; um fungo que produza um antibiótico, ou que possa ser usado para produzir cerveja ou pão - o fermento biológico, nada mais é do que um fungo, o Saccharomyces cerevisae, uma levedura. Queijos e iogurtes são produzidos a partir de outros microorganismos. Tudo isso, então, é biotecnologia. E é com isso que eu trabalho. E eu amo.

 

A ideia desta página é, então, passar para você que está me acompanhando, um pouquinho do que eu aprendi nesses anos todos trabalhando com isso. Mostrar que o Sistema de Patentes não é um bicho de sete cabeças; que não é tão complicado assim. Que dá, sim, para usá-lo, seja patenteando uma invenção sua, seja aperfeiçoando a invenção de alguém, seja investindo em tecnologias que já estão em domínio público. Espero que eu consiga!

 

Os exemplos aqui utilizados serão todos da biologia, mas não se acanhe se a biotecnologia não for a sua praia: o que eu falar de patentes é também válido para qualquer tecnologia.

 

Desejem-me sorte!
 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

  • Facebook Basic Square
  • LinkedIn Social Icon
  • Google+ Social Icon
RSS Feed